Atlanta : a cidade

 

Até pouco tempo, tudo que eu sabia sobre Atlanta se resumia à relação com as Olimpíadas de 1996  e empresas grandes como a Coca Cola e a Delta Airlines. Pesquisando um pouco mais, descobri que é  considerada uma cidade alpha do mundo devido à importante expressividade econômica. Depois disso, superei o meu medo de mapas e consegui me situar um pouco melhor geograficamente a ponto de entender que estaremos a algumas milhas da costa leste dos Estados Unidos, no Estado da Geórgia, aos pés das Montanhas Apalaches e ao sul do Rio Chattahoochee.

 

Costumo dizer que nós não escolhemos Atlanta, ela nos escolheu, já que estamos indo para lá movidos por oportunidades profissionais. Mas estou apaixonada pelo desafio de me deixar surpreender por algo desconhecido, inesperado. Foi por isso que resolvi dar o nome deste projeto de Atlanta, a cidade que representa para mim a minha capacidade de ter coragem e arriscar.

Atlanta: o significado

Antes de definir o nome desse novo projeto da minha vida, também fiz uma rápida pesquisa a respeito dos significados por trás da palavra Atlanta. Vamos ao que descobri: Atlanta é, eventualmente, utilizada como nome próprio feminino. Existem teorias de que esse nome tem origem da palavra Atlântida, um continente desaparecido em histórias lendárias da antiguidade. No entanto, o que mais me chamou atenção foi a correlação com o nome Atlas.

 

Atlas foi um titã, personagem da mitologia grega, condenado por Zeus a carregar o mundo nas costas. Depois de cumprir seu papel, Atlas se tornou o guardião dos pilares que, até hoje, sustentam os céus. Ele se tornou, então, o símbolo do fardo que carregamos quando tentamos abraçar todos os padrões, resolver todos os problemas do mundo sozinhos.

 

Devido à simbologia do significado, Atlas foi o nome escolhido na Medicina para a primeira vértebra da nossa coluna vertebral, que sustenta diretamente a cabeça. O mito de Atlas passou a representar o peso dos excessos da vida contemporânea e, ao mesmo tempo, a possibilidade de nos libertarmos dele através da consciência de que os conceitos pesados são frutos da nossa mente e imaginação.

  Transformar nossas crenças pode mudar o significado do peso do nosso mundo sustentado pelo Atlas, e, consequentemente, por nós mesmos.